Existe uma extensão do php chamada cURL, talvez seja a extensão mais útil e menos entendida do php. Diretamente do manual do php temos que o curl suporta diversos protocolos: http, https, ftp, gopher, telnet, dict, file, e ldap.

Eu mesmo já fiz alguns posts utilizando o cURL aqui no blog. Como o meu contexto é a web, e trabalho frequentemente com o protocolo http, irei me ater a ele.

Pense no cURL como uma forma de realizar requisições. Sabe quando você faz download de uma imagem, clica num link para abrir uma página web, ou envia um formulário ? Todas essas coisas são requisições http. Com essa lib nós conseguimos fazer com que a nossa aplicação, nosso programa php server-side, faça requisições por nós.

Muito útil por exemplo para fazer proxy de algum servidor que não suporte CORs, consultar alguma coisa, enviar dados para algum webservice..

Para isso temos que entender como usá-lo. Crie um arquivo chamado endpoint.php, com o seguinte conteúdo:

<?php

var_dump($_SERVER['REQUEST_METHOD'], $_REQUEST);

GET

O GET é certamente o tipo de requisição que mais fazemos na web. O verbo GET significa isso mesmo que você está pensando: pegar alguma coisa.

Iniciaremos com apenas 3 funções, que são as mínimas necessárias para fazer uma requisição GET com cURL: curl_init(), curl_exec() e curl_close().

Vou executar os exemplos pelo terminal, com o comando php

$ php get.php

Se eu fizer uma requisição inválida, o retorno do curl_exec() será um false.

<?php
$ch = curl_init("http://foo");
$ret = curl_exec($ch);
curl_close($ch);

var_dump($ret); //false

E se quisermos mais informações sobre o erro, elas estarão disponíveis na função curl_error($ch);.

<?php
$ch = curl_init("http://foo");
$ret = curl_exec($ch);
$err = curl_error($ch);
curl_close($ch);

var_dump($ret, $err);

O retorno seria:

$ php get.php 
bool(false)
string(27) "Could not resolve host: foo"

Importante setarmos tudo o que quisermos antes de chamar a função curl_close(), pois ela irá realmente “fechar” a conexão, invalidando o resource que criamos com a função curl_init().

E se eu fizer uma requisição válida:

$ch = curl_init("http://localhost/~wbruno/curl/endpoint.php");

O cURL irá retornar os dados que achar lá:

$ php get.php 
string(3) "GET"
array(0) {
}
bool(true)

O true ali, é o resultado do var_dump() da variavel $ret, que é o retorno do curl_exec() me informando que tudo ocorreu bem, e a requisição foi feita. O problema desse método que estamos utilizando, é que o retorno está sempre sendo “printado”, sem que possamos atribui-lo a uma variável.

Para ter esse controle, usaremos uma outra função da lib, chamada curl_setopt.

<?php

$ch = curl_init();
curl_setopt( $ch, CURLOPT_URL, "http://localhost/~wbruno/curl/endpoint.php" );
curl_setopt( $ch, CURLOPT_RETURNTRANSFER, true);

$ret = curl_exec($ch);
curl_close($ch);

var_dump($ret);

Executando:

$ php get.php
string(29) "string(3) "GET"
array(0) {
}
"

Agora, vemos que o retorno do curl_exec() foi o conteúdo que o cURL buscou, e não mais um booleano dizendo “se deu ou não”. Isso porque utilizamos o CURLOPT_RETURNTRANSFER, okay ?

Um exemplo de GET que já fiz com cURL foi Buscando uma hashtag no search do twitter. Veja como agora tudo faz sentido lá no script, e é bem simples de entender.

Note a sintaxe da função curl_setopt:

**curl_setopt(,

No terceiro argumento você pode ver tanto true,false ou 1,0.. depende da mania do programador que escreveu, mas ambas as formas significam a mesma coisa: ter ou não tal opção do cURL.

Response header

Bom, mas nem sempre estamos interessados apenas no retorno (no body do response), mas podemos também querer as meta informações. Para isso, utilizaremos o $info = curl_getinfo($ch);.

<?php

$ch = curl_init();
curl_setopt( $ch, CURLOPT_URL, "http://localhost/~wbruno/curl/endpoint.php" );
curl_setopt( $ch, CURLOPT_RETURNTRANSFER, true);

$ret = curl_exec($ch);
$info = curl_getinfo($ch);
curl_close($ch);

var_dump($info);

O retorno do curl_getinfo é um array com informações sobre a resposta, e não o corpo da resposta em si:

$ php get.php 
array(26) {
  ["url"]=>
  string(42) "http://localhost/~wbruno/curl/endpoint.php"
  ["content_type"]=>
  string(9) "text/html"
  ["http_code"]=>
  int(200)
  ["header_size"]=>
  int(168)
...
  ["local_ip"]=>
  string(9) "127.0.0.1"
  ["local_port"]=>
  int(54098)
}

Precisamos disso para por exemplo saber se um site está ou não no ar.

Follow location

As vezes, ao fazer uma requisição para um site, o site pode ter um redirect, que nos leva para outro endereço, e ai teríamos que fazer uma segunda requisição para aquele endereço, já que o cURL sozinho “não seguiria” o redirecionamento.

Então, se fizéssemos uma requisição GET a http://locaweb.com.br, teríamos como resultado o 301 (redirecionamento permanente)

$ php get.php 
string(246) "<!DOCTYPE HTML PUBLIC "-//IETF//DTD HTML 2.0//EN">
<html><head>
<title>301 Moved Permanently</title>
</head><body>
<h1>Moved Permanently</h1>
<p>The document has moved <a href="http://www.locaweb.com.br/default.html">here</a>.</p>
</body></html>
"

Felizmente a lib do php possui uma opção para isso curl_setopt( $ch, CURLOPT_FOLLOWLOCATION, 1 ); que nos permite receber o resultado mesmo que a requisição sofra um redirect, logo, fazendo assim a requisição:

<?php

$ch = curl_init();
curl_setopt( $ch, CURLOPT_URL, "http://locaweb.com.br" );
curl_setopt( $ch, CURLOPT_RETURNTRANSFER, true);
curl_setopt( $ch, CURLOPT_FOLLOWLOCATION, true );

$ret = curl_exec($ch);
$info = curl_getinfo($ch);
curl_close($ch);

var_dump($ret);

O retorno agora será o html da homepage da Locaweb.

$ php get.php 
string(78775) "<!DOCTYPE html>
<html dir="ltr" lang="pt-BR">
...</html>

Beleza?

Algumas outra opções que podemos usar ainda com GET no cURL são:

CURLOPT_CONNECTTIMEOUT – segundos tentando conectar, falha caso não volte antes.

CURLOPT_TIMEOUT – segundos até “falhar” caso não volte antes do definido.

CURLOPT_USERAGENT – você pode “fingir” que é um navegador, por exemplo.

Ainda não falei dos outros métodos POST, PUT e DELETE, mas fica para o próximo post, okay ?